Avina
Cuidades Sustentables

O Grande Chaco Americano


O Grande Chaco Americano é o segundo maior bioma da América Latina, depois da Amazônia, e abrange cerca de 1.000.000 km2, compreendendo vastos territórios da Argentina, Bolívia, Paraguai e uma pequena parte do Brasil. É uma região de rica diversidade social e ambiental.

 

Apesar das peculiaridades dos países que a compõem, a Região do Chaco enfrenta um conjunto característico de problemas e desafios, tais como: marginalização nos centros do poder político, empobrecimento generalizado de sua população rural, crescente urbanização das populações rurais e indígenas e um modelo depredador de exploração de recursos naturais, entre outros.

 

Por mais de 10 anos, a AVINA trabalha no Chaco com uma visão estratégica orientada ao fortalecimento do capital social em cada país e à promoção de iniciativas de articulação tetra-nacional com um enfoque de sustentabilidade ambiental, econômica, social e cultural. Unimo-nos a um conjunto de organizações que busca propiciar a inclusão, a equidade e a qualidade de vida para todos os habitantes da região.

 

A AVINA atualmente enfoca o seu trabalho na criação de uma Economia Sustentável para o Grande Chaco Americano, com a finalidade de promover oportunidade de negócios inclusivos, verdes e responsáveis, mediante mecanismos efetivos de cuidados com os recursos naturais. Para isso, também se faz necessário construir uma plataforma regional para o intercâmbio de conhecimentos e a inclusão política, econômica e social das comunidades indígenas e rurais.

 

Para uma educação de qualidade
na América Latina


A partir da decisão da AVINA de organizar seu apoio à Educação, e de um enfoque continental, uma equipe - formada por colaboradores da Argentina, Brasil, Chile e Paraguai - está trabalhando na construção de uma estratégia integrada capaz de promover a melhora da qualidade de educação da América Latina.

 

Um eixo comum nas ações apoiadas pela AVINA até este momento é o de conceber a educação como um direito humano, um bem público e um elemento indispensável para o desenvolvimento sustentável. Um mapeamento das ações neste campo, em anos passados, demonstra alguns avanços e aprendizagens críticas para sistematizar e difundir o processo.

 

Mudanças Climáticas e
Incidência Política

Hoje a mudança climática é um fator condicionante do desenvolvimento sustentável. Seu impacto atual começa a ser percebido na América Latina: derretimento de geleiras, secas prolongadas, chuvas intempestivas, inundações, perdas de recifes de coral, elevação do nível do mar em zonas costeiras, deteriorização das zonas rurais, afetando populações vulneráveis, a saúde pública e a competitividade de diversos setores econômicos. Estes são os primeiros impactos que se percebem na região.

 

A América Latina, com 11% da população do planeta, é responsável por 8% das emissões globais de CO2. Ainda que a maioria destas emissões provenha do desflorestamento, as emissões de transporte cresceram 58% entre 1990-2005 versus 27% nos países membros da Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OECD) e 37% em nível mundial. Segundo cifras de 2008 da Agência Internacional de Energia, os gases de efeito estufa (GEI) cresceram acima da média mundial na região.

 

Reduzir e mitigar as emissões de gases de efeito estufa (GEI) e promover a adaptação aos efeitos das mudanças climáticas envolve uma complexidade completamente nova. Responder a estes desafios exige um contexto de governabilidade que permite gerar, implementar e coordenar políticas adequadas em nível nacional, regional e internacional. A AVINA se uniu a outros participantes de diferentes países e setores para potencializar os mecanismos de governabilidade necessários.


Um objetivo importante da estratégia é fortalecer o debate sobre mudanças climáticas nas agendas públicas pela incidência de uma comunidade de participantes econômicos e sociais. Este processo avança com experiências pilotos na negociação de agendas de ação coletiva; promoção de ações institucionais legislativas; capacitação de participantes chaves; comunicação e desenvolvimento de parcerias.

Antonio Guachama, indígena guarani boliviano da comunidade de San Antonio em Vila Montes, navegando com seu bote pelos Bañados de la Estrella, na província argentina de Formosa. Estes banhados constituem um dos pântanos mais importantes da América Latina e o núcleo da área proposta como Reserva Trinacional da Bioesfera.

 

 

Cria-se a Plataforma Climática Latino-americana

Com o apoio da AVINA, criou-se a Plataforma Climática Latino-americana (PCL), que em seus primeiros seis meses conseguiu mobilizar simultaneamente em torno de 400 organizações para diálogos nacionais na Argentina, Colômbia, Paraguai, Peru e Uruguai, e participou na COP 15, onde conquistou visibilidade global e ampliou sua rede internacional de alianças.

 

No final de 2009, a AVINA articulou a integração entre a Secretaria Executiva da PCL, executada pela Fundação Futuro Latino-americano (FFLA) e o consórcio ganhador da licitação sobre Climate & Development Knowlegde Network (CDK Network), apoiado pelo Department for International Development (DFID) do Reino Unido.

 

Este consórcio, promovido pela Pricewaterhouse Coopers, está integrado pela FFLA, Infosys Technologies Ltd., LED International, Overseas Development Institute, SouthSouthNorth, International NGO Training and Research Center (INTRAC) e Microsoft. A iniciativa terá a duração de cinco anos, e sua primeira fase, durante a qual será apoiado com 40M de libras esterlinas, terá como objetivo proporcionar e gerir conhecimentos, serviços de pesquisa e assessoramento a governos em temas relacionados a mudanças climáticas, assim como comunicar e difundir produtos de conhecimentos de alta qualidade.

 

A América Latina semeada de “Fé e Alegria”
Na última década, o Movimento de Educação Popular Integral e Promoção Social Fé e Alegria (“Fé e Alegria”) aumentou em mais de 60% a cobertura de seus programas ao estendê-la de 910 mil estudantes em 15 países latino-americanos para 1,5 milhões em 19 países. Inclusive seu modelo político-pedagógico já cruzou o Oceano Atlântico e está sendo repetido na República do Chad, na África Central.

Esta expansão sem precedentes foi possível graças ao apoio da assessoria do Centro Magis. A AVINA e o Centro Magis trabalham com o Movimento “Fé e Alegria” na América Latina há mais de dez anos, para fortalecer institucionalmente a “Fé e Alegria”, estimular sua articulação com outras redes e aumentar a influência nas políticas públicas. Durante este tempo, “Fé e Alegria” se converteu em referência de uma proposta político-pedagógica em nível regional. Na Venezuela, Peru, Colômbia e Equador, participa no processo de formação de currículos, leis, regulamentos e políticas educativas.

 

Segundo um recente estudo da NASA, a velocidade do degelo na Patagônia, que hoje provoca 10% de elevação do nível do mar, está acelerando. Na América Latina, estima-se que 40 milhões de pessoas terão problemas de acesso à água devido ao degelo na Cordilheira dos Andes.